Ensaios poéticos

Postagens populares

Caatinga/ mandacaru em flores

Caatinga/ mandacaru em flores

Árvores da Caatinga

Árvores da Caatinga
Mufumbo florido

Visitantes

sexta-feira, 15 de julho de 2011

Comunicado Importante para os cordelistas!

AEPP PROMOVE CONCURSO DE LITERATURA DE           CORDEL

ASSOCIAÇÃO ESTADUAL DE POETAS POPULARES/RN – AEPP

CONCURSO DE CORDEL/2011 – REGULAMENTO

1) Os cordéis serão compostos de 32 sextilhas de sete sílabas poéticas, com rimas nos versos pares, inspirados no tema: UMA HISTÓRIA SERTANEJA.

2) Prazo de concorrência: até 31 / 7 / 2011;

3) Endereço para envio do material: Prof. José Rego Neto, Rua João da Cruz, 1.892 - Candelária, Natal/RN, CEP 59065-190;

4) As folhas datilografadas ou digitadas, com indicação de pseudônimo, serão colocadas num envelope grande; num envelope pequeno, lacrado, que também será colocado no envelope grande, serão colocados o pseudônimo e o nome do concorrente, com endereço, telefone e e-mail, se houver. Este só será aberto em sessão da AEPP, para conhecimento dos vencedores.

5) A comissão julgadora, que será nomeada oportunamente, classificará um cordel vencedor, duas menções honrosas e duas menções especiais. O vencedor receberá troféu e diploma; os demais receberão diplomas. Desta vez não haverá prêmio em dinheiro.

6) O resultado será publicado na sessão de 9.9.2011, da AEPP.

7) Ao concorrerem, os cordelistas autorizam tacitamente a AEPP a publicar os cordéis premiados, tendo eles o direito a 50% dos exemplares para venda ou para os fins que desejarem.

Natal, 30 de junho de 2011.

JOSÉ LUCAS DE BARROS

Presidente da AEPP

domingo, 10 de julho de 2011

Voz poética de Mizael de Souza Xavier / Poeta Carioca, de raízes nordestina e radicado em Natal



Isto sim é vida

De amor não se morre, se vive
Pois o amor a tudo vence, resiste
O amor constrói barreiras
Que impedem o ódio de entrar
E também destrói fortalezas
Libertando o desejo de sonhar.
No amor a sinceridade é medida
Não por rios de lágrimas dolorosas
Ou por intensos sussurros abrasados
Mas pela verdade que se esconde no fato
De que o amor se mede em atos.

Se existe amor já não existe contradição
Ou desavença entre o sentir e a razão
Porque a balança do amor é leal
Faz distinção entre bem e mal
E se apodera das coisas preciosas
Suportando os espinhos das rosas.
O amor faz o mundo girar
Faz o dia nascer para depois findar
Traz alegria onde havia dor
Transforma em mel a vida sensabor
Inunda de tudo o que era nada
Moldando as formas inacabadas
Em imagens reais de grande valor.

Quem vive para amar não morre
Eterniza-se na lembrança do amante
Num movimento retilíneo, constante
Impulsionado pelo pulsar do coração
Rumo àquele porto-seguro
Que muitos chamam vida e felicidade
E o dizem certamente com razão.
Saber amar é saber compreender
Que o amor não é a meta a se alcançar
Mas o princípio e o combustível da jornada
Cuja finalidade única é mostrar
Que quem ama, mais quer amar
Ainda que não possa explicar
Porque amor explicado é teoria
Mas amor amado... Ah, isto sim é vida!